top of page

Brasil ocupa 60º lugar no ranking de competitividade em 2023

O estudo se baseia em pesquisas de opinião e perguntas realizadas nas 64 nações de fevereiro a abril de 2023. Os países latino-americanos se encontram estagnados em baixas posições diz uma análise da Fundação Dom Cabral




Em 2023, o Brasil ficou em 60º lugar no ranking de competitividade econômica global do IMD (Instituto Internacional de Desenvolvimento Gerencial, da sigla em inglês). Só está na frente da África do Sul, Mongólia, Argentina e Venezuela. Na comparação com o ano anterior, desceu uma posição. Estava em 59º. O estudo se baseia em pesquisas de opinião e perguntas realizadas nas 64 nações de fevereiro a abril de 2023.

O ranking mede a competitividade econômica de 64 países. Ou seja, o Brasil está entre os 5 piores do levantamento. A lista foi divulgada nesta 2ª feira (16.jun.2023). Contou com a parceria do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral.


Segundo Carlos Arruda, professor da fundação, a queda de posição do Brasil não se explica necessariamente por uma piora na situação do país, mas sim porque uma nova nação entrou no ranking, o Kuwait.


Apesar disso, o especialista disse que o Brasil poderia ter se saído melhor e não ter ficado estagnado. De acordo com ele, a adição do Kuwait “explica, mas não justifica”.


No estudo, o IDM listou em uma análise quais são os maiores desafios para tornar o Brasil um país mais competitivo em 2023:


  • reforma tributária – implementar uma mudança na tributação que fomente a competitividade do mercado;

  • marco fiscal – precisa conciliar gastos sociais com responsabilidade nas contas públicas;

  • educação pública – promover qualidade e a atuação conjunta com o setor privado para capacitar a força de trabalho;

  • empregos – investir na criação de novas vagas a partir do aumento da produção e criação de oportunidades.


O instituto ainda mediu o desempenho dos países em 4 categorias. O Brasil só subiu de posição em um dos recortes, a performance econômica. Leia abaixo:


  • performance econômica 41º lugar; subiu 7 posições em 1 ano;

  • eficiência governamental 62º lugar; caiu uma posição;

  • infraestrutura 55º lugar; caiu duas posições.

  • eficiência corporativa 61º lugar; caiu 9 posições.


Carlos Arruda avalia que a melhora no aspecto econômico veio porque o preço dos combustíveis na Europa aumentaram e o do Brasil diminuiu por comparação.


O professor declarou que a atuação do governo foi a que mais prejudicou a situação geral brasileira na lista. Ele analisa que o poder público deveria incentivar mais a atuação do setor privado. “Regulações que impactam abertura e encerramento de operação em empresas no geral”, mencionou.


“Com a demora das reformas que estão sendo propostas e negociadas, o Brasil se mantém ruim numa plataforma e em um conjunto de variáveis negativas para a competitividade”, completou.

Arruda afirmou que o fator mais preocupante é a falta de investimento em educação pública de qualidade. Para ele, o Brasil investe muito dinheiro em educação, mas não na qualidade do ensino. O país perde profissionais qualificados com essa postura. “O Brasil poderia ser um país com um potencial humano mais destacado do que apresenta o relatório”, disse o especialista.


Para o futuro, a expectativa do acadêmico é que o desempenho econômico continue a avançar, mas que a estagnação é uma tendência nos aspectos políticos. Por causa disso, não deve apresentar uma subida de posição expressiva no ranking em 2024.

“Os países latino-americanos se encontram estagnados em baixas posições, enquanto o leste asiático tem apresentado forte ascensão há alguns anos”, diz uma análise da Fundação Dom Cabral, parceira do IMD, sobre os resultados.



Informações Poder 360.


2 visualizações0 comentário

コメント

5つ星のうち0と評価されています。
まだ評価がありません

評価を追加
bottom of page